DE TERÇA À SEXTA-FEIRA
Missas às 6:00H e 17:00H
AOS SÁBADOS
Missas às 17:00H  e 19:00H
AOS DOMINGOS
Missas às 7:00H, 9:00H, 17:00H 18:30H  e 20:00H
DIA 16 DE CADA MÊS
Missa do padroeiro às 17:00H
DIA 13 DE CADA MÊS
Missa às 12:00H
Você já ouviu falar sobre a Campanha da Fraternidade:
SIM
NÃO
08/01/2012  |  A obra de Deus

veja mais audios



Devoção à Sagrada Face de Cristo


Esta santa devoção teve origem com a impressão milagrosa do Rosto de Cristo no lenço de Verônica, uma tradição muito respeitada na Igreja. O Papa Bento XVI fez questão de venerar o Véu de Verônica na cidade de Manoppello na Itália, em setembro de 2006. Durante sua visita ao santuário, Bento XVI foi o primeiro Papa a poder novamente venerar a relíquia, meio milênio após seu desaparecimento da Basílica de São Pedro. 

Esta devoção cresceu muito também por causa da importância que a Divina Face teve na vida de Santa Teresinha do Menino Jesus e da Sagrada Face. Outro fato que fortaleceu a devoção foram os surpreendentes estudos da figura de Jesus no santo Sudário de Turim; além das revelações à Irmã M. Pierina de Micheli (†1945), a mensageira da Sagrada Face dos últimos tempos.

Em maio de 1938, a Virgem Santíssima mostrou (em visão mística) à Irmã Pierina, um escapulário formado de dois paninhos. Num ela viu a Face de Jesus com as palavras ao redor: “Ilumina, Domine, vultum tuum super nos” (“Senhor, fazei resplandecer a Vossa Face sobre nós”). No outro estavam escritas em volta de uma hóstia as palavras: “Mane nobiscum, domine” (Senhor ficai conosco). Lentamente Nossa Senhora se aproximou e disse: “Escuta bem e transmite ao teu confessor que este escapulário é uma arma de defesa, escudo de fortaleza e penhor de misericórdia que Jesus quer dar ao mundo nestes tempos de sensualidade e de ódio contra Deus e a Igreja. São poucos os verdadeiros apóstolos. É necessário um remédio divino e este remédio é a Face de meu Filho. Todos aqueles que usarem o escapulário, e sendo lhes possível, cada terça feira visitar o Santíssimo Sacramento fazendo “Uma Hora Santa”, para reparar os ultrajes que recebeu e continua recebendo meu Filho, cada dia, no Sacramento Eucarístico, serão fortificados na Fé, estarão prontos para defendê-la e hão de suportar todas as dificuldades internas e externas. Além disso morrerão serenamente sob o olhar de meu Filho”.

Semanas mais tarde Jesus apareceu também e disse: “Quero que Minha Face seja honrada com uma festa própria na Terça-feira da Quinquagésima (terça-feira de carnaval) e que esta festa seja preparada por uma novena durante a qual todos os fiéis façam Comigo reparação”.

Em vez de fazer escapulários a Irmã Pierina mandou cunhar medalhas. Preocupada por isso recorreu à Nossa Senhora que novamente lhe apareceu dizendo: “Minha filha, não se preocupe, pois, o escapulário é substituído pela medalha com todas as promessas e favores. Só resta difundi-la mais ainda. Ora, interessa-me muito a festa da Sagrada Face de meu Filho. Diga ao Papa que esta festa muito me interessa”.

Irmã M. Pierina falou três vezes ao Papa e o Sumo Pontífice, ciente do pedido do Céu, não se fez esperar. No dia 15 de março de 1957, havendo já aprovado a propagação da medalha, facultou a celebração da festa, isto é, aos Beneditinos Sivestrinos de Roma. Em 10 de janeiro de 1959 o Papa João XXIII concedeu a mesma licença, a todos os Bispos do Brasil.

Para merecer as graças prometidas é necessário:

Usar a medalha, contemplar com amor, muitas vezes a Sagrada Face, zelar pela devoção, fazendo a Hora Santa, nas Terças-feiras, promover anualmente a novena em preparação à festa na terça-feira de carnaval, e seguindo o exemplo dos grandes devotos da Sagrada Face, ler e meditar diariamente o Novo Testamento.

Todos os dias rezar: 5 Pai Nossos; 5 Ave Marias; 5 Glórias; em honra das cinco chagas de Nosso Senhor Jesus Cristo, rezando também a oração composta por Pio IX, e a aspiração que a segue: “Ó meu Jesus, lançai sobre nós um olhar de misericórdia! Volvei Vossa Face para cada um de nós, como fizestes à Verônica, não para que A vejamos com os olhos corporais, pois não o merecemos. Mas volvei-A para os nossos corações, a fim de que, amparados sempre em Vós, possamos haurir nesta fonte inesgotável, as forças necessárias para nos entregarmos ao combate que temos que sustentar. Amém. Senhor, mostrai-nos a Vossa Face e seremos salvos!”

Prof. Felipe Aquino

 
 
 


Intercessão dos santos, 
o que a Bíblia ensina.


Nosso Senhor Jesus Cristo é o único Salvador. Não porém o único intercessor.

Quando São Paulo diz que Nosso Senhor ”é o único mediador entre Deus e os homens” (1Tm 2,5-6), ele quer dizer que Ele é o único Salvador e não o único intercessor. Na verdade, existem muitos intercessores. No Novo Testamento há inúmeras passagens que nos exortam a interceder uns pelos outros, inclusive, a que precede o versículo citado acima: “Acima de tudo, recomendo que se façam preces, orações, súplicas, ações de graça por todos os homens (...). Isto é bom e agradável diante de Deus, nosso Salvador (1Tm 2,1-3) “Orai uns pelos outros para serdes curados” (Tg 5,16b) Logo, Nosso Senhor Jesus Cristo não pode ser o único intercessor. No entanto, todo e qualquer intercessor, sempre ora e obtém a graça em nome de Nosso Senhor Jesus Cristo, e não em seu próprio nome. Pois é somente através de Jesus Cristo que temos acesso ao Pai Celeste. 

Quanto mais santo o intercessor, mais eficaz é a intercessão.

Diz ainda a Bíblia Sagrada, que quanto mais santo o intercessor, maior a eficácia da oração: “A oração do justo tem grande eficácia” (Tg 5,16c). Ora, se a oração de um justo tem grande eficácia, não há dúvida que é melhor pedir a intercessão de um justo do que de um pecador. E, como não existem homens neste mundo mais santificados do que aqueles que já estão no Céu, obviamente, é melhor pedir a intercessão de um santo do Céu do que de um homem que ainda vive neste mundo.

Os santos do Céu estão vivos. Porém: “Como podem interceder se estão mortos e inconscientes?”

As pessoas que se salvaram estão vivas diante do Trono de Deus, porque o nosso Deus não é Deus de mortos, mas de vivos: “Moises chamou ao Senhor: Deus de Abraão, Deus de Isaac, Deus de Jacó. Ora Deus não é Deus dos mortos, mas dos vivos porque todos vivem para Ele.” (Lc 20,37-38) Portanto, os santos falecidos (como Abraão, Isaac e Jacó) estão vivos na Presença de Deus. Não estão mortos, nem inconscientes! O livro do Apocalipse também ensina que os santos falecidos não estão adormecidos, mas mesmo antes da ressurreição, suas almas se comunicam e intercedem junto a Deus: “Vi sob o altar as almas dos homens imolados por amor de Deus e por causa do testemunho que dele tinham prestado. E clamaram em alta voz: Até quando ó Senhor, Santo e Verdadeiro, dilatas tu o fazer justiça e vingar o nosso sangue dos que habitam sobre a terra? E foram dados a cada um deles vestidos brancos; e foi-lhes dito que repousassem ainda um pouco de tempo, até que se completasse o número dos seus conservos e irmãos, que haviam de padecer, como eles, a morte.” (Apc 6,9-11) Como se vê, as almas dos santos falecidos clamam a Deus para que apresse o Dia do Juízo Final. Não estão “adormecidas”, mas “falam” com Deus. Elas clamam ansiosas pelo Dia do Juízo Final, que será também o dia da ressurreição da carne. Deus lhes dá uma veste branca (símbolo da santidade) e diz que aguardem mais um pouco.

E, enquanto aguardam, o que fazem estas almas santas?

Então um dos anciões, tomando a palavra, disse-me: Esses, que estão revestidos de vestiduras brancas, quem são? e de onde vieram? E eu disse-lhe: Meu Senhor, tu o sabes. E ele disse-me: Estes são aqueles que vieram da grande tribulação, e lavaram os seus vestidos, e os embranqueceram  no sangue do Cordeiro. Por isso estão diante do trono de Deus, e o servem de dia e de noite no seu templo.” (Apc 7,13-15) Portanto, esta é a situação das almas enquanto aguardam o dia do Juízo Final e da ressurreição da carne, quando finalmente “O que está sentado sobre o trono habitará sobre eles; não terão mais fome nem sede, nem cairá sobre eles o sol, nem calor algum; porque o Cordeiro que está no meio do trono os guardará e os levará às fontes das águas da vida, e Deus enxugará toda a lágrima dos seus olhos.” (Apc 7,15-17).

Estas almas (os santos, pois estavam com vestes brancas, símbolo da santidade), intercedem diante do Trono de Deus: “E veio outro anjo, e parou diante do altar, tendo um turíbulo de ouro; e foram-lhe dados muitos perfumes, a fim de que oferecesse as orações de todos os santos sobre o altar de ouro, que está diante do trono de Deus.” (Apc 8,3-4)

Está é uma passagem bíblica que mostra a intercessão dos santos, e que agora estão diante do Trono de Deus. São oferecidas a Deus as orações de TODOS os santos. Tanto as orações dos santos da terra (católicos que levam vida de autêntica piedade) quanto dos santos do Céu (que estão vestidos de branco diante do Trono de Deus).

Um exemplo destas orações de santos falecidos, encontra-se em Macabeus. Nela, Judas Macabeus relata uma visão que teve de Onias e Jeremias, já falecidos, intercedendo pelo povo: “Onias (…) estava com as mãos estendidas, INTERCEDENDO por toda a comunidade dos judeus. Apareceu a seguir um homem notável (…) Esse é aquele que MUITO ORA pelo povo e por toda cidade santa, é Jeremias, o Profeta de Deus.” (2Mac 15,12-14)

Os santos do Céu tomam conhecimento de nossas preces.

Somente Deus é Onipresente.  No entanto, os anjos e os santos que estão no Céu têm uma união íntima com Deus. Por isso eles têm conhecimento de tudo quanto se passa na terra e, portanto, tomam conhecimento das preces que lhes são dirigidas.

Eis como Dom Estevão Bettencourt explica esta questão: “Os bem-aventurados têm conhecimento das preces que neste mundo lhes são dirigidas, pois Deus, que fez os homens solidários entre si, não permite que essa comunhão seja dissolvida pela morte. Por isso pedimos aos santos que intercedam por nós no Céu, e Deus lhes dá a conhecer nossas orações para que, de fato, eles rezem por nós ao Pai.”

A esse propósito disse Nosso Senhor: ”Pedi e recebereis, para que a vossa alegria seja completa.” (Jo 16,24) Interceder por alguém é um ato de amor entre os filhos de Deus: “Nesse dia pedireis, em meu nome, e já não vos digo que hei de rogar ao Pai por vós, porque o mesmo Pai vos ama, porque vós me amastes e crestes que eu sai do Pai.“ (Jo 16,26-27)

Fonte: aascj.org.br
Foto retirada da internet caso seja o autor, por favor, entre em contato para citarmos o credito.

Fique com Deus e sob a proteção da Sagrada Família
Ricardo Feitosa e Marta Lúcia
Crendo e ensinando o que crê e ensina a Santa Igreja Católica

 



22/04/2016
Culto aos santos e suas imagens
Ampliar vídeo

 
 
Igreja em reforma para melhor acolhimento

Em primeiro lugar, queremos agradecer a colaboração de todos os paroquianos que, através de suas generosas ofertas, estão contribuindo para a reforma de nossa Igreja Matriz. Já foram instalados portas de vidros nas laterais, basculantes, vitrôs e a parte externa já se encontra quase concluída. Brevemente iniciaremos a infra estrutura elétrica, pois o projeto encontra-se em fase de conclusão. Precisamos ainda da colaboração de todos os paroquianos. Diversas promoções já foram feitas. Outras virão. Rifas, bingos, jantar dançante, todos empenhados na realização do mesmo sonho.

Conselho Econômico

 


Campanha da Fraternidade Ecumênica

A Campanha da Fraternidade deste ano está tratando sobre saneamento básico, com o tema “Casa Comum, nossa responsabilidade” e o lema “Quero ver o direito brotar como fonte e correr a justiça qual riacho que não seca”, trecho tirado do Profeta Amós, 5, 24.


Ela desenvolverá suas atividades chamando atenção para o problema do meio ambiente e ausência parcial ou total de saneamento básico, através de homilias nas missas, reflexões em grupos de vizinhos, palestras e meios de comunicação em geral. Além disso, ela propõe ações concretas para auxiliar, por exemplo, na prática do lixo seletivo, na limpeza dos rios e lagos, dos cuidados com focos de proliferação de mosquitos da dengue e outros, no cuidado com as árvores e o ar.

ORAÇÃO

Deus da vida, da justiça e do amor, vós fizestes com ternura o nosso planeta, morada de todas as espécies e povos. Dai-nos assumir, na força da fé e em irmandade ecumênica, a corresponsabilidade na construção de um mundo sustentável e justo, para todos. No seguimento de Jesus, com a Alegria do Evangelho e com a opção pelos pobres.

HINO

Eis, ó meu povo o tempo favorável
Da conversão que te faz mais feliz;
Da construção de um mundo sustentável,
“Casa Comum” é teu Senhor quem diz:

Quero ver, como fonte o direito a brotar, a
A gestar tempo novo: e a justice,
qual rio em seu leito, dar mais vida
pra vida do povo.

Eu te carrego sobre as minhas asas
Te fiz a terra com mãos de ternura;
Vem, povo meu, cuidar da nossa casa!
Eu sonho o ver, o ar, a casa pura.

Te dei um mundo de beleza e cores,
Tu me devolves esgoto e fumaça.
Criei sementes de remédio e flores;
Semeias lixo pelas tuas praças.

Justiça e paz, saúde e amor têm pressa;
Mas, não te esqueças, há uma condição:
O saneamento de um lugar começa
Por sanear o próprio coração.

Eu sonho ver o pobre, o excluído
Sentar-se à mesa da fraternidade;
Governo e povo trabalhando unidos
Na construção da nova sociedade.


OBJETIVO GERAL

Assegurar o direito ao saneamento básico para todas as pessoas e empenharmo-nos, à luz da fé, por políticas públicas e atitudes responsáveis que garantam a integridade e o futuro de nossa Casa Comum.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

- Unir igrejas, diferentes expressões religiosas e pessoas de boa vontade na promoção da justiça e do direito ao saneamento básico;
- Estimular o conhecimento da realidade local em relação aos serviços de saneamento básico;
- Incentivar o consumo responsável dos dons da natureza, principalmente da água;
- Apoiar e incentivar os municípios para que elaborem e executem o seu Plano de Saneamento Básico;
- Acompanhar a elaboração e a excussão dos Planos Municipais de Saneamento Básico;
- Desenvolver a consciência de que políticas públicas na área de saneamento básico apenas tornar-se-ão realidade pelo trabalho e esforço em conjunto;
- Denunciar a privatização dos serviços de saneamento básico, pois eles devem ser política pública como obrigação do Estado;
- Desenvolver a compreensão da relação entre ecumenismo, fidelidade à proposta cristã e envolvimento com as necessidades humanas básicas.
 



COMUNICADO



Comunicamos que o número de telefone da Paróquia de São Gerardo foi mudado para:


3044.3971
 
1
2
3
4
5
6
1
2
3
4
5
6
1
2
3
4
5
6
7
Paróquia de São Gerardo Majella - Arquidiocese de Fortaleza
Av. Bezerra Menezes, 1256 - São Gerardo - Fortaleza - Ceará  |  CEP 60325-001
Telefone: (85) 3044-3971 | E-mail: faleconosco@paroquiasaogerardo.org.br